quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

K'Naan: Troubadour

Depois de atrair a atenção da mídia especializada do mundo inteiro com seu álbum de estréia, K'naan tornou-se uma espécie de símbolo, graças à sua história peculiar: um menino somali que fugiu com a mãe de um dos países mais atribulados e violentos do mundo e veio parar na América do Norte, onde aprendeu a língua inglesa ouvindo rap - principalmente Nas. Seu primeiro álbum prezou pelos relatos feitos pelos jovem emcee sobre sua terra natal e uma mistura entre rap e ritmos africanos.

Então, eis que K'naan retorna, quatro anos depois, pronto para superar a síndrome do segundo álbum. Troubadour é o nome do projeto - bem pretensioso, diga-se de passagem, pegando carona na pecha de "poético" que alguns críticos ofereceram ao rapper. E algumas mudanças já podem ser notadas no trabalho: a mistura entre ritmos agora não se restringe apenas aos da África, mas passeiam pelo reggae, pelo rock e pelo pop sem perder a base hip hop.

Isso significa que a cadência continua lá, com a bateria marcada, mas ainda assim K'naan usa frequentemente um flow mais dancehall - "ABC's" e "I Come Prepared", a última com Damian Marley, recruta cantores como Adam Levine, ou até mesmo recorre ao guitarrista do Metallica para a sequência heavy metal de "If Rap Get Jealous". Quando busca a antiga fórmula, o emcee também não desaponta: "People Like Me" tem um som bem complexo, com piano discreto desembocando nas strings pontuais do refrão, enquanto "Wavin' Flag" recorre a melodia e refrão cativantes. "ABC's" é uma faixa mais uptempo, com coro infantil no refrão e "America" é a música com mais cara de sampleada do disco - um loop malemolente e onipresente dá o tom dos versos.

Se os instrumentais tiveram uma mudança considerável, as letras de K'naan mantém a mesma essência: rimas fortes e questionadoras, falando sobre a infância, discutindo a sociedade atual, contando histórias, tudo sempre com um viés político. Até a já mencionada "ABC's", talvez a faixa mais propícia a tocar nas pistas e com um verso bem simples do old school Chubb Rock, guarda algumas alfinetadas:

"Estas ruas não são pavimentadas com ouro
na verdade, acho até que alguém roubou as lâmpadas
ninguém gordo suficiente para uma lipo
eles não nos ensinam a ler ou escrever".

E então entra o refrão infantil, com rimas nada infantis:

"Eles não nos ensinam os ABCs
Nós brincamos no concreto duro
Tudo o que nós temos é a vida nas ruas"

E não para por aí. "Dreamer" tem um excelente contado, com um K'naan se dividindo entre desesperança e sonhos, intertextualizando com John Lennon e seu "Imagine". "Fatima" conta a história de um amor antigo , enquanto ele segue sua análise sobre o mundo do rap com "If Rap Get Jealous". Entretanto, é em "Somalia", uma ode à terra natal que o jovem somali brilha mais intensamente, falando não só sobre o país, mas também com alguns traços autobiográficos:

"Você vê por que é incrível?
quando alguem sai de uma situação tão terrível
e aprende a língua inglesa apenas para compartilhar suas observações!
Provavelmente vai ganhar um Grammy sem educação formal
então foda-se a escola e a imigração!
Eu todos vocês que pensaram que eu não iria resistir a um resfriado
e aqui estou eu sem o menor medo ou preservação"

Então, K'naan passou com louvores pelo teste do segundo disco? Sim, e tem potencial para continuar evoluindo. Seu rap tem um leque ainda mais vasto, com uma facilidade para alternar canto falado com interpretação de melodias, mudanças de tom, de ritmo, enfim uma série de malabarismos vocais que só enriquecem sua performance. Além disso, seu estilo mostra uma direção cada vez mais presente no hip hop atual, que é um diálogo ainda maior com outros gêneros, algo inerente a um mundo cada vez mais globalizado e mais próximo da cultura do ritmo e poesia.

K'naan - Troubadour
01. T.I.A
02. ABC’s (feat. Chubb Rock)
03. Dreamer
04. I Come Prepared (feat. Damian Marley)
05. Bang Bang (feat. Adam Levine)
06. If Rap Gets Jealous (feat. Kirk Hammett)
07. Wavin’ Flag
08. Somalia
09. America (feat. Mos Def and Chali 2NA)
10. Fatima
11. Fire in Freetown
12. Take a Minute
13. 15 Minutes Away
14. People Like Me

Download


Vídeo da faixa "Somalia":


Vídeo da faixa "Dreamer":


Assista ao vídeo de "ABC's" (a incorporação no blog não foi possível)

4 comentários:

rodrigowill disse...

Sou suspeito de comentar, K'naan é um dos meus favoritos, posso até dizer que passei alguns anos sem ouvir rap gringo e depois de ler o livro "Muito Longe de Casa - Memórias de um menino-soldado" e ler uma entrevista com o autor na qual ele citou K'naan as coisas começaram a ficar melhor. Acredito até que seria ótimo se o pessoal que ouve rap lesse este livro.

Salve!

Rapidshare Search disse...

New Rapidshare Link Search Engine

Rapid4shared.com

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

Anônimo disse...

Die Auswahl an Anhängern ist riesengroß und die thomas sabo online shop deutschland Wahrscheinlichkeit, dass jemand genau das schmuck thomas sabo gleiche Bettelarmband wie man selbst trägt, ist verschwindend ohrringe creolen gering. Auch nach vielen Jahren noch begeistert das Bettelarmband seine Besitzer. Es strahlt einen ganz eigenen thomas sabo uhren billig Charme aus und kann sowohl Glückssymbole, Armband mit Anhänger als auch Liebesbezeugnisse, Freundschaftszeichen oder thomas sabo schmuck günstig einfach modische Akzente beinhalten. Je nach dem, thomas sabo schmuck wie man es schmückt, kann es elegant, sportlich, modisch, thomas sabo charm club anhänger schlicht oder ausgefallen wirken. Es passt sich auf diese Weise immer wieder dem Anlass und dem gewählten thomas sabo shop Kleidungsstil an. Manche Trägerinnen weisen nach einiger Zeit zuhause eine richtige kleine Sammlung an Anhängern thomas sabo engelsflügel auf, um das Bettelarmband immer wieder neu schmücken zu können. So bleibt es auch nach langer Zeit immer noch interessant und kommt niemals aus der Mode. Der Design- und Produktionsprozess bei der Life Kollektion ist sehr ähnlich wie bei der Oliver Weber Kollektion.