quinta-feira, 14 de maio de 2009

Emicida: Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe

Um dos maiores fenômenos do rap brasileiro nos últimos tempos finalmente lançou sua primeira empreitada. O paulista Emicida, que ficou famoso pela sua habilidade no freestyle, depois de um bom tempo na luta, jogou na rua a mixtape "Pra quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe". O trabalho confirma que o cara é sim uma das maiores promessas da cena tupiniquim. Melhor, uma realidade já, uma esperança e um espelho para futuros emcees nascidos em terra brasilis.

A mix contabiliza 25 faixas, todas mixadas entre si. O número pode ser alto, mas é bom lembrar que esta é uma mixtape, o que dá uma liberdade maior de formato do que um álbum, por exemplo. Divagações sobre fitas e discos à parte, o que importa é que Emicida, com suas rimas e escolhas de bases, representa uma resposta para as várias questões que atormentam o rap nacional na sua eterna encruzilhada entre velha e nova escola. Por quê? Porque ele é o elo perdido entre ambas, um híbrido de um Mano Brown menos revoltado e um Kamau mais político. Resumindo, ele não perde o ativismo fortíssimo dos anos 90, mas busca os novos assuntos e conceitos tão valorizados pela geração 2000.

Emicida pode falar sobre mulher, filosofar sobre a vida, fazer crônicas do espaço urbano, ser introspectivo, revisitar sua infância, discursar diretamente à favela, escrever uma ode ao hip hop etc. É essa versatilidade e mente aberta que salta aos olhos. Some isso ao carisma e à capacidade inata de soltar punchlines no momento certo em cada faixa, e você tem o matador de emcees, quase um resultado do realismo literário. Um cara que é gente da gente, e de madrugada vira este super-herói que escreve as rimas mais impactantes do rap brasileiro.

Só a introdução do disco pode ser considerada melhor do que muita coisa que sai todo dia pelos esgotos do hip hop mundial. Meio spoken word, sobre uma plataforma jazzística acompanhada por percussão à la Gil Scott-Heron, Emicida fala sobre tudo, de uma forma que realmente capta sua atenção, mesmo em meio a um metrô lotado e barulhento. Se esta introdução fosse lançada como single, ainda assim seria candidata a disco do ano aqui no Boom Bap. Mas há mais, e você percebe logo em seguida, com a raivosa "E.M.I.C.I.D.A." e as caixas pesadas e piano cortado, cortesia de Nave.

Os destaques são inúmeros: o suíngue jazzy de "Pra Mim..." é a atmosfera perfeita pro emcee falar sobre as coisas que mais gosta; o hilário sample e o cavaco de "Ainda Ontem" abrem alas para a metalinguagem sobre freestyle; "Por Deus, Por Favor" é um exercício de storytelling, com algumas histórias que desaguam no título da faixa; em "Cidadão", Emicida vira suas armas para seus próprios irmãos, vocalizando uma mea-culpa tão necessária quanto apontar os problemas do "sistema".

No final da mix, entretanto, é onde residem as faixas mais marcantes. "Hey Rap!", com um beat impecável de Dario, é uma carta aberta ao rap nacional, que culmina na criativa segunda estrofe, na qual Emicida rima usando nomes de alguns dos discos mais importantes da nossa história. Em seguida, o cara pega emprestado a base de "One Mic", do Nas, para uma homenagem comovente para o DJ Primo, em "Essa é pra você, Primo". Comovente também é o adjetivo mínimo para classificar a faixa de encerramento do registro, "Oorrra...", uma autobiografia acachapante, capaz até de arrancar lagrimas dos mais desavisados.

Enfim, "Pra Quem Já Mordeu..." alcança, no mínimo, a expectativa da legião de fãs do emcee paulista. É um registro sincero, sem amarras, que pode, sim, nortear a próxima geração. O fato de ser uma mixtape é uma faca de dois gumes. Obviamente, algumas faixas não se destacam tanto quanto outras, o que é compreensível. Por outro lado, a ansiedade e esperança que um álbum completo e pensado vai despertar será grande demais. Que o filho da dona Jacira vença mais esta barreira. O rap nacional agradece.

Contatos para adquirir a Mixtape:
Em SP :
Galeria do rock (subsolo)
Loja Via Hipiie Hop - 11 - 3331 4119
Pavilhão - 11 - 3338-1298
Galeria presidente
Colex oficial

Fora de São Paulo :
Curitiba: viniciusnave@gmail.com
Rio de janeiro : tujaviu@gmail.com
Salvador: nouve90@gmail.com

Leia ótima entrevista com Emicida no Per Raps

5 comentários:

DJ Julio disse...

...ôôôôrra... O melhor album do ano, a ultima faixa enche os olhos de lágrimas msm, pqp, tá foda pra caralho, mt bom!!! vlw a resenha, eu sabia q essa num ia escapar do teu blog! Forte abraço!

Rafael disse...

A ultima faixa é uma das melhores musicas que ja ouvi no rap nacional, muito boa a resenha

rodrigowill disse...

To morando em Juiz de Fora MG no momento como faz pra conseguir a Mix?

Wadington disse...

Ae sem idéia desculpa mano mais o cara é foda, ae homenagem ao Dj primo e a ultima porra mano, duvido que quem num gosta dele e não acompanha o trampo não vai concorda que ele é foda. Palavras bem colocas, rimas que faz você dizer inconcientemenete "putz o cara é foda mesmo" é bem verdade o que ele diz se não chegou até você é por que não pra você ser ouvinte.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,