quinta-feira, 18 de março de 2010

Ghostface Killah: Supreme Clientele

Ano: 2000
Gravadora: Razor Sharp
Produtores: Black Moes-Art (faixa 2), Juju (3), Carlos Broady (4 e 12), The Blaquesmiths (5), Hassan (6), RZA (7, 8, 13 e 17), Mathematics (9 e 19), Inspectah Deck (11), Choo the Specializt (15) e Carlos Bess (18).
Participações: RZA (faixas 2, 7 e 11), T.M.F. (3), Lord Superb (4 e 12), Raekwon (6 e 19), Method Man (8), Cappadonna (8 e 19), Redman (8), 60 Second Assassin (11), Chip Banks (12), Hell Razah (12), Solomon Childs (13), U-God (18), Madam Majestic (18), GZA (19) e Masta Killa (19).

O dia 30 de março tá chegando e, com ele, um dos álbuns mais aguardados pelo Boom Bap neste comecinho de ano: o Wu-Massacre. Como forma de aplacar a ansiedade, hoje o blog começa uma série falando sobre o melhor álbum solo da carreira de cada um dos três emcees que se juntaram para o novo projeto: Ghostface Killah, Method Man e Raekwon. Comecemos, pois, com Tony Starks, Ironman, Pretty Toney ou Ghostdeini, também conhecido como o único membro solo do Wu-Tang Clan que conseguiu lançar um segundo álbum melhor do que o primeiro.

E "Supreme Clientele" é o nome deste feito. Logo depois de estourarem, os caras do Wu lançaram clássico atrás de clássico, com "Liquid Swords", "Only Built 4 Cuban Linx", "Return to the 36 Chambers", "Tical" e "Ironman", este último também de Ghost. Depois do álbum duplo "Forever", porém, a segunda rodada de álbuns solo só fez decepcionar. Era o fim do plano de cinco anos do RZA - na primeira metade de década do grupo, ele teve o controle total sobre a produção de cada disco que saiu com a marca Wu -, e os membros do grupo resolveram buscar novos sons. Quebraram a cara, menos Ghostface, que, se não delegou todos os beats do seu segundo álbum a RZA, pelo menos teve o bom senso de deixá-lo ser o diretor executivo do projeto.

Portanto, mesmo com nomes desconhecidos e apenas quatro beats do Abbott, "Supreme Clientele" ainda tem aquele clássico som do Wu, com batidas fortes, direto na jugular, sem muita frescura - até mesmo os samples de kung fu aparecem vez ou outra. Aliás, isso serve como atestado da influência do estilo do Wu nos produtores da época; é só perceber, por exemplo, como os samples vocais acelerados apresentados por RZA já estavam difundidos, mesmo antes de explodirem com Kanye West e companhia. Para além disso, note a influência do próprio Ghostface na escolha dos instrumentais. Conhecido por ter uma queda pelo soul, o Iron Man não deixou passar bases encharcadas daquelas strings típicas do soul da Filadélfia, conhecido como Philly Soul.

E, apesar da fórmula mais ou menos definida, ainda há espaço para algumas experimentações. "Nutmeg", por exemplo, abre o disco totalmente desprovida de caixas mais incisivas; ao contrário, o protagonismo no mix cabe a uma linha de baixo simples, que segura a onda até um loop mais funky assumir o refrão. "Stroke of Death" é talvez a batida mais diferente, como se o DJ estivesse ali ao vivo fazendo a batida voltar para que Ghost, RZA e Solomon Childs pudessem rimar; é talvez uma homenagem aos primórdios do rap, quando os disc-jóqueis se esfolavam para manter um loop de dois segundos. Até mesmo uma pitada de jazz-rap aparece em "Supreme Clientele", com "Malcolm", guiada completamente por um piano, além de um R&B meio tosco em "Cherchez Laghost", em tempos em que o Wu mantinha a agressividade como marca registrada.

Mas, na verdade, ainda são os tais batidões agressivos que elevam o nível do disco. "Buck 50" parece ter sido feito na medida para Ghost; samples de algum disco obscuro de soul, bumbos e caixas batendo incessantemente, estrutura simples e muito espaço para o anfitrião e seus convidados Method Man, Cappadonna e Redman rimarem. Apesar do nome, esta não é a diss para o então novato 50 Cent - naqueles tempos um membro do Wu jamais gastaria uma música inteira para isso, então só tocaram no assunto numa skit. Por outro lado, "Wu Banga 101" parece ter sido feita para GZA, no seu estilo lento mas ainda ameaçador. Não é à toa que o Genius é o primeiro a rimar na faixa. Mas é a brincadeira com os samples picotados no começo de cada verso que torna a faixa clássica.

E então temos "Mighty Healthy". Eu dedico um parágrafo inteiro para esta faixa, pois, pessoalmente, é uma das preferidas de todos os tempos. Produzida por Mathematics, a música é a síntese de "Supreme Clientele". Os samples de kung fu estão lá, o break clássico de "Synthetic Substitution" é o esqueleto da batida, o piano e baixo soturnos dão o tom ameaçador e ainda há aquele samplezinho vocal bem sacana que faz qualquer um se render - e não esqueça dos scratchs!. Em suma, é uma das melhores batidas a saírem da marca Wu e é capaz de fazer você balançar a cabeça por horas e até ficar gesticulando como o Ghostface faz no clipe para as rimas que estão na linha tênue entre completo nonsense e carisma genial que só o maluco do Tony Starks é capaz de oferecer. Linhas como "você está certo, eu transo com as fãs" ou aquela cantoria desafinada no refrão são a cereja no bolo.

Aliás, liricamente falando, Ghost exibe por todo o disco o que podemos perceber em "Mighty Healthy". As rimas na maioria das vezes não fazem sentido para o ouvinte comum - e já vi muitos fãs norte-americanos do Wu admitirem que não entendem o que o cara quer dizer -, mas o flow do cara é irresístivel. Além de tudo, "Supreme Clientele" entra para o rol dos clássicos do rap como uma aula de como a levada pode carregar um disco. O storytelling, o bragadoccio e o battle rap estão todos no álbum, mas muitas vezes você nem entende, e nem liga; o importante são as rimas internas, multissilábicas, as punchlines. A voz fina de Ghost transforma-se verdadeiramente em mais um instrumento colocado no mix. É quase como um disco instrumental, com a voz de Ghost sendo o instrumento principal.

E todo esse nonsense funciona, na verdade, como algo positivo. Ghost seguiu este estilo por toda sua carreira e o transformou em marca registrada. É como se ele se sentasse, pegasse a caneta e o papel e começasse a escrever o que vem na cabeça. Amigos, Ghostface Killah é uma das maiores representações "rapeiras" do dadaísmo. Vejam o trecho de um texto sobre o gênero na Wikipedia: "(...) talvez as formas principais da expressão dadá tenham sido o poema aleatório. (...) o Dadaísmo defende o absurdo, a incoerência, a desordem, o caos. Politicamente , firma-se como um protesto contra uma civilização que não conseguiria evitar a guerra". Tudo a ver, né?

Curioso também notar que o álbum é o primeiro em que Ghostface sai da sombra de Raekwon. Depois de ser o coadjuvante de "Only Built 4 Cuban Linx" e dividir "Iron Man" como o parceiro, Ghost assume os holofotes. O amigo gordinho aparece em apenas duas faixas e, mais importante, Tony Starks monopoliza diversas músicas no disco, num cenário bem diferente do que dos primeiros solos. Ghost até se refere a isso no início de "Might Healthy": "O mundo não pode encostar Ghost, o coadjuvante da Purple Tape (como ficou conhecido 'Only Built...') de Rae".

Na época em que foi lançado, em 2000, "Supreme Clientele" funcionou como um resgate do Wu, que já dava sinais do seu primeiro declínio depois de "Forever", em 1997, com os seguidos solos decepcionantes. Como bônus, iniciou a saga de Ghost como membro proeminente do grupo, já que antes era ofuscado por nomes como RZA, Meth, Raekwon e GZA. A partir deste álbum, Tony Starks tornou-se o mais consistente emcee do Wu e um dos mais carismáticos do rap.

Ghostface Killah - Supreme Clientele
01: Intro
02: Nutmeg
03: One
04: Saturday Nite
05: Ghost Deini
06: Apollo Kids
07: The Grain
08: Buck 50
09: Mighty Healthy
10: Woodrow the Basehead (Skit)
11: Stay True
12: We Made It
13: Stroke of Death
14: Iron's Theme Intermission
15: Malcolm
16: Who Would You Fuck?
17: Child's Play
18: CherChez LaGhost
19: Wu Banga 101
20: Clyde Smith (Skit)
21: Iron's Theme Conclusion (Outro)

Vídeo de "Mighty Healthy":


Vídeo de "Apollo Kids":


Vídeo de "Cherchez Laghost":

7 comentários:

Paulo7th disse...

Precisa comentar algo?
Um dos melhores reviews seus Felipe, sem dúvidas... Também um álbum desse fica fácil haha! Abraços!

*PS: adoro a "One" o refrão é clássico.. você nem comentou nada rs

S.A.R.C.I. disse...

ooooohhhh, esse album é foda mesmo !!

embora eu simpatize muito com o "Ironman", foi aí que Ghost mostrou a que veio !!!

Lucas disse...

porra parabéns ai felipe.. sempre demais esses seus textos. .ainda mais qndo falam de wu q so muito fan...

o ghost tinha treta com o 50tinha?

oq ele fala nessa musica?
abraços

Anônimo disse...

Hello. And Bye.

DJ Julio disse...

Irmão, esse album não sai do meu set! Várias pancadas sonoras, e "nutmeg", pra escutar naqueles dias q c tá boladão! É foda! Deus queira q o Massacre venha desse jeito! Vlw o post, Forte abraço!!!

jackson disse...

Ae rapazeada, os Snippets do 'Wu-Massacre' já estão disponíveis na Amazon, deem uma ouvida ae: http://www.amazon.com/exec/obidos/ASIN/B002XT3PFI/sofa-20/ref=nosim

Paz!

Anônimo disse...

Right now it looks like Drupal is the best blogging platform available right now.
(from what I've read) Is that what you are using on your blog?

Feel free to visit my weblog :: pc