sábado, 15 de dezembro de 2007

10º: Hell Razah - Renaissance Child

Produtores: Krohme, Dirty Needlez, Dev 1, MF Doom, Bronze Nazareth, Fabrizio Sotti, DJ Battle, Smokeshop Productions, Jordan River Banks, Focis, Shuko.
Participações: Tragedy Khadafi, Timbo King, R.A. the Rugged Man, Talib Kweli, MF Doom, Bronze Nazareth, Killah Priest, Ras Kass.

O Wu-Tang Clan não foi apenas um grupo de grande impacto no rap na década de 90. Além de fazer grande sucesso, o grupo ainda lançou um sem-número de emcees e produtores no jogo. Hell Razah foi um deles, estreando no grupo Sunz of Man junto com nomes como Killah Priest e 4th Disciple. Porém, o declínio do Wu culminou também no declínio, pelo menos em visibilidade, de seus afiliados.

Depois de anos desenvolvendo suas habiilidades, eis que Hell Razah retorna, com seu primeiro álbum. Renaissance Child foi lançado no primeiro semestre de 2007 e trouxe de volta ao jogo letras inteligentes e políticas, sem caírem para o lado do sermão. Hell Razah se mostra um emcee extremamente inteligente e religioso, exibindo em suas rimas inúmeras referências bíblicas e históricas, trazendo um estilo novo ao rap, parecido com seu parceiro Killah Priest. A grande proposta do álbum é iniciar o renascimento do rap, depois de Nas dizer que o mesmo estava morto.

E esse renascimento se dá, principalmente, pelas letras. Razah está impecável, falando sobre diversos assuntos, embora se paute principalmente em letras políticas. Apesar disso, ele ainda encontra tempo para falar sobre a história do hip hop em "Renaissance"(na qual R.A. cospe um dos melhores versos de sua carreira e domina a faixa completamente), sobre o estado atual do rap em "Buried Alive", história do povo africano em "Runaway Sambo" e "Chain Gang" e história da música negra em "Project Jazz". Poucos álbuns nos últimos anos mostraram uma temática tão séria e consistente quanto a mostrada neste projeto. Para os fãs de Immortal Technique e Public Enemy, a lírica agressiva e inteligente de Razah é bastante recomendada.

Musicalmente, apesar de vários produtores contribuírem para o álbum, a predominância é de beats pesados, com samples diversos. O saxofone loopado por MF Doom em "Project Jazz" é o ponto alto de um beat incomum, com uma bateria sendo subjugada pelo metal, o que não impede de Razah, MF Doom e Talib Kweli fazerem da faixa uma das melhores do álbum. O sample de guitarra psicodélica em "Musical Murdah" dá o tom perfeita para os flows agressivos de Razah e Ras Kass. O piano contínuo, somado ao sample vocal de "Renaissance" também merece destaque. Embora todos os beats sejam bem produzidos, a maioria é realmente ofuscada pela mensagem de Razah.

É muito interessante notar que o "lado B" do Wu-Tang esteja tão consistente e prolífico. Hell Razah é uma grande surpresa, com ótimas letras e uma consciência invejável, começando seu plano de renascimento do hip hop nas raízes: a poesia e o ritmo. Pena que pouca pessoas(eu inclusive) entendam inglês o suficiente para absorver tudo o que esse álbum oferece. O pouco que consegue-se depreender mostra o nível deste trabalho.

Download

Baixe Duas Letras Traduzidas do Álbum

Vídeo da música "Renaissance":